dezembro 08, 2010

A perda.

Durante meus longos e intensos dezesseis anos, certas coisas se repetiram frequentemente; beijos, paixões, decepções, alegrias e perdas. Particularmente, nunca me contentei em perder, principalmente, se for perder pessoas por monotonia ou por desencanto. Algumas pessoas eram tudo em minha vida, eram minha razão de ter vontade de querer viver, motivo de minha felicidade e de um processo de melhoria de quem eu era. O tempo apagou o encanto que essas pessoas tinham sobre mim, mas eu não as esqueço e é isso que me dói tanto. Pessoas que perdi.. muitas delas ainda vejo, ainda ouço a voz. Sinto saudade da cumplicidade, dos momentos. Sem dúvida, a dor de perder alguém em vida é pior do que a dor da morte, porque é o nunca mais de alguém que se poderia ter, já que está vivo e por perto. Sem dúvida.

Um comentário: